Dica de leitura: Contribuições dos manuais diagnósticos e importância da topografia na avaliação e tratamento do transtorno desafiador-opositor na infância

O artigo de Figueiredo (2015) publicado na Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva demonstra como os terapeutas analítico comportamentais podem se beneficiar do manual diagnóstico DSM V e da topografia descrita nele na avaliação e intervenção relacionadas ao transtorno desafiador-opositor na infância.

Resumo: Tópico: A aproximação da Psiquiatria à Terapia Analítico-comportamental através da utilização do Manual Diagnóstico e Estatístico dos Transtornos Mentais 5ª edição (DSM-V). Objetivo: discorrer sobre a utilização de critérios diagnósticos à luz da teoria behaviorista. Tese sob análise: os princípios analítico-comportamentais orientam não focar apenas na topografia dos comportamentos. Os manuais diagnósticos e estatísticos focam apenas na topografia dos sintomas, utilizando uma abordagem não baseada em teoria específica. Apesar de aparentemente discrepantes, é possível aproximar conceitos da teoria comportamental com conceitos de nosologia psiquiátrica. Fontes usadas: bibliografia publicada e estudo de um caso clínico de uma criança de 9 anos com o diagnóstico de transtorno desafiador-opositor segundo o DSM-V. Conclusões: a utilização de manuais diagnósticos pode ser uma estratégia para o terapeuta que utiliza os princípios da Análise do Comportamento para nortear sua prática. Esta utilização pode ter impactos positivos na avaliação, na programação e na eficácia do tratamento.

Leia e baixe o texto completo: [button link=”http://www.usp.br/rbtcc/index.php/RBTCC/article/view/731/429″ size=”medium” target=”new” color=”default”]Acessar[/button]

0 0 votes
Article Rating
Avatar

Escrito por Priscila Meireles Guidugli

Graduada em Psicologia, Mestra e Doutoranda em Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem pela UNESP - Bauru. Especialista em Psicoterapia Breve pelo Instituto Ampliatta. Membro do LADS (Laboratório de Aprendizagem, Desenvolvimento e Saúde) da UNESP – Bauru. Atua nas áreas clínica e escolar atendendo todas as idades, com experiência em dificuldades de aprendizagem e problemas de comportamento infantis, transtornos globais do desenvolvimento, incluindo autismo, além de transtornos psiquiátricos relacionados à ansiedade e depressão.