Dica de leitura: O self e comportamentos autodirigidos na Terapia Analítico Comportamental Infantil

A Dica de leitura de hoje é um artigo publicado em 2014 pela Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva. Em “O self e comportamentos autodirigidos: Revisão da literatura de estudos de caso brasileiros em Terapia Analítico-Comportamental Infantil”, as autoras Silveira e Del Prette analisaram o uso do conceito de self na Terapia Analítico-Comportamental Infantil (TACI) por meio de uma revisão da literatura.

RESUMO: O conceito de self está relacionado ao controle privado do indivíduo, cujas falhas nesta aprendizagem podem se relacionar a problemas graves como os Transtornos de Personalidade. Esta pesquisa objetivou analisar o uso do conceito de self na prática em Terapia Analítico-Comportamental Infantil (TACI). Foi realizada uma revisão da literatura de todos os volumes de três revistas científicas brasileiras e de uma coleção de livros em Análise do Comportamento, selecionando-se publicações em TACI abordando o tema self ou algum comportamento autodirigido (N=16). Pôde-se observar que alguns terapeutas têm proposto intervir apenas em aspectos parciais de desenvolvimento de self, o que acarretaria um déficit nos objetivos propostos na Terapia Analítico-Comportamental Infantil. Este resultado alerta para a relevância da publicação de novos trabalhos que foquem em intervenções acerca do self em TACI.

Se interessou pelo tema? Clique aqui e leia o texto completo!
[button link=”http://www.usp.br/rbtcc/index.php/RBTCC/article/view/713/425″ size=”medium” target=”new” color=”default”]Acessar[/button]

0 0 votes
Article Rating

Escrito por Priscila Meireles Guidugli

Graduada em Psicologia, Mestra e Doutoranda em Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem pela UNESP - Bauru. Especialista em Psicoterapia Breve pelo Instituto Ampliatta. Membro do LADS (Laboratório de Aprendizagem, Desenvolvimento e Saúde) da UNESP – Bauru. Atua nas áreas clínica e escolar atendendo todas as idades, com experiência em dificuldades de aprendizagem e problemas de comportamento infantis, transtornos globais do desenvolvimento, incluindo autismo, além de transtornos psiquiátricos relacionados à ansiedade e depressão.